Quinta-feira, 6 de Fevereiro de 2014

Do fim para o príncipio

Hoje o empregado do restaurante perguntou-me se já tinha visto a capa do jornal que eu estava a ler. Expliquei-lhe que não porque começo todos os jornais do fim para o príncipio.
Perguntou-me porquê. Cansam-me tanto perguntas óbvias.
Porque as últimas páginas revelam o que é o jornal. Últimas notícias, comentários de quem tem entusiasmo, cinemas, desporto, vida. As primeiras páginas são as dos artigos de fundo, trabalhados, maquilhados, editados, disfarçados. O '9 to 5' da vida.
Acho que o gajo percebeu.
Nem foi preciso dizer-lhe que é por isso que as mulheres nos lêm, a nós homens, do fim para o príncipio.

tags:
publicado por naturezavirtual às 20:59
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 18 de Fevereiro de 2009

O que elas sabem sobre nós

Nunca tinha lido nada tão completo e lindo sobre ... nós os homens.

É artigo para guardar toda a minha vida.

 

 

O que eu sei sobre os homens

por Ana Sousa Dias a partir de uma conversa com Guta Moura Guedes, in revista "Pública"

O que é que eu sei sobre os homens? Pouco.
É verdade isto. Sei muito sobre as pessoas em geral, bastante sobre a natureza humana, sobre os vários formatos , feitios, tamanhos, idades, proveniências, mas sobre os homens, mesmo, não sei lá muito. Por vários motivos.
Na realidade, sei pouco sobre os homens porque as mulheres ocupam mais espaço na minha vida, porque me fascinam muito mais. Interessam-me mais as mulheres, o universo feminino, é sobre elas que sei. Sobre os homens posso dizer algumas generalidades, mas será que isso interessa? Sei-os, existem tantos, mas conheço poucos. Tenho a mania de gostar de conhecer a fundo, só dessa forma, o resto não me move. Faço isso com pouquissimos homens, os dedos de duas mãos são demais para os contar. Sou, para o mal e para o bem, incontornavelmente selectiva. O número de homens que verdadeiramente me despertaram o desejo de os conhecer bem é muito reduzido.
Surpreendem-me e modificam-me porque a nossa natureza é uma e a deles é outra,claro. Emociona-me a capacidade de mergulho e de voo que alguns deles têm. Isso pode ser de uma beleza extrema. Mas também de uma grande violência. Philip Roth, n´a Mancha Humana, tem umas páginas sublimes sobre isto. Sobre a forma como os homens mergulham, a pique, como se mandam em frente. Nós temos um medo que nos ancora porque temos filhos dentro de nós durante algum tempo. Eles não, não têm esse agarramento á terra. Isso eu sei sobre eles.
Outra coisa é manterem sempre algo de criança, de miúdo pequeno. Mesmo. Daí que às vezes sejam mais transparentes que nós, quase todos. Outra é que fácilmente se acomodam porque ás vezes são pouco exigentes e deixam-se a querer só casa e conforto. Outra é não saberem ainda juntar corpo, emoção e razão. Outra coisa que sei é que sabem focar-se melhor que nós e ser mais egoístas e que por isso há-os brilhantes, fascinantes, maravilhosos e tão incompletos.
São mais quentes, têm o sangue mais quente e têm mais força fisica do que nós. E riem-se e autoregeneram-se. Musil diz que as cidades, como os homens, reconhecem-se pelos passos. E é verdade, os passos dos homens identificam-nos, tal como a forma como se movem e mexem e nos mexem.
Impressiona-me quando os vejo como fortes em praias isoladas e prisioneiros deles próprios. Marcam-me os poucos que conseguem conjugar a capacidade de sonho que têm, maior que a nossa, mais livre que a nossa, com as dúvidas que os assaltam e mover o mundo a partir daí. Sei-os capazes das maiores delicadezas e arrebatamentos, mas também os sei distraídos e em círculo, sem verem que o que era já não lá está ou sem verem o que é fundamental.Têm uma doçura imensa, alguns, e quando vivem bem a sua sensibilidade , a de lá bem de dentro, sem medo, derrubam-nos.
Tenho dois filhos, ambos homens. Tenho aprendido muito com eles, mas só agora o mais velho fez 18 anos e o outro tem quase 14. São homens semente ainda. Mas está tudo lá. A força , o corpo, a cabeça, a química, o sonho. Penso sempre, redondamente, que aquilo que vierem a ser dependerá tanto das mulheres com quem se cruzarem.
É pouco o que sei sobre os homens.
Se gosto deles? Claro. Muito.
 

Hoje estou:
tags:
publicado por naturezavirtual às 11:00
link do post | comentar | favorito
|

.Minha Natureza

.Natureza Viva

. Do fim para o príncipio

. O que elas sabem sobre nó...

.Natureza Morta

. Novembro 2017

. Junho 2017

. Agosto 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.pesquisar

 

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds